Ondatrópica: Quantic e sua interminável onda tropical



Dois dos discos que mais gostei esse ano têm os dedos do Quantic (o incansável Will Holland, inglês que mora na Colômbia desde 2007). Um é “Look Around The Corner”, com a cantora de soul britânica Alice Russell, do qual já falei algumas vezes no Twitter e no Facebook. O outro é esse com o músico colombiano Mario Galeano e o seu Frente Cumbiero, o Ondatrópica.

Pra resumir de um jeito bem preguiçoso, o disco está sendo chamado de “O Buena Vista Social Clube da Colômbia”, reunindo jovens e lendários músicos do país dando uma roupagem atual pra ritmos como a cumbia, a salsa, porro, currulao e chirimia. O disco estreou em #2 nos charts de World Music do UK e recebeu uma crítica super elogiosa no New York Times de um show que fizeram em NYC.

Conheço muito pouco de música latina, mas uma coisa leva a outra, e eu fiquei apaixonadíssima pela cena musical da Colômbia e com muita vontade de passar as férias de final de ano por lá. Infelizmente a gente sempre precisa de um gringo pra mostrar o que está ao nosso lado, precisamos parar com essa superioridade e começarmos a prestar mais atenção em nossos hermanos. ♥

Tem link pra baixar o disco no Exystence. Já adianto que o único problema dele é correr o risco de pagar mico dançandinho no ponto de ônibus ou no metrô. Pois é, sou dessas! ;-)

Abaixo, um vídeo em espanhol sobre o processo de gravação do disco, “Suena”, uma de minhas favoritas, e algumas apresentações ao vivo do Ondatrópica.

O bacana é que no dia 28 de setembro o Quantic vem discotecar na festa do Só Pedrada Musical no Estúdio Emme. Vamos aguardar e torcer pra que ele toque por aqui um dia também com o Combo Barbaro ou o Ondatrópica! ;-)

O disco Ondatrópica está à venda no site da Soundway Records.

Leia mais: No Globo saiu recentemente uma entrevista com Galeano

Quem disse?

Esta sou eu: 35 anos, manequim 54, fazendo o que mais gosto: discotecar, dançar e ir a shows, usando tudo o que dizem que uma mulher GG não deve usar (listras horizontais, cores, brincos grandes, maquiagem forte).  Quem disse que eu não posso?

Nos últimos anos têm surgido na internet muitas manifestações em defesa da liberdade das mulheres. Desde a Marcha das Vadias até a Marcha do Parto em Casa, passando pelos blogs de moda plus size, todas buscam celebrar nossa diversidade e valorizar nossa liberdade de escolha.

E liberdade de escolha não praticamos somente em grandes ações políticas. No dia a dia também nos deparamos com alguns pequenos tabus que felizmente cada vez mais mulheres estão dispostas a quebrá-los. Quem disse que mulher gorda não pode usar roupa estampada? Quem disse que depois dos 30 a gente tem que se tornar uma mulher séria e abandonar a paixão pelos shows e pela vida noturna?

A mulher pode e deve ser bonita do jeito que ela se sente bem e gosta. Usa manequim maior do que 48 e ama vestidos coloridos? O que que tem? Vai trabalhar cedo no dia seguinte mas hoje à noite tem um show imperdível? Se joga! Gosta de usar olhão preto e boca vermelha também de dia? E aí? Nada é mais importante do que ser você mesma, acima de tudo.

Foi a partir dessa vontade que foi criada a fanpage “Quem disse?” (www.facebook.com/quemdisseberenice), pra levantar a bandeira de quebrar regras (de maquiagem e de vida). Tem muito mais mulheres dispostas a isso do que você imagina. ;-)

Falando nisso, a antropóloga Mirian Goldenberg apresenta uma análise inédita baseada em três pesquisas desenvolvidas com duas mil brasileiras. O estudo revela que o maior desejo feminino é ser livre! Quem disse que a mulher de hoje sonha em casar e ter filhos? Elas querem é ser donas do própria nariz! Olha só a prévia do que tem nesse estudo na entrevista da Mirian no programa da GNT, Superbonita:

O trabalho solo de Emma Pollock (The Delgados)

Outro dia tirei do fundo da estante o Pelloton e o The Great Eastern, álbuns do Delgados, uma das minhas bandas favoritas mas que infelizmente encerrou suas atividades em 2005, e fui pesquisar o que os seus ex-integrantes andam fazendo. Fui parar no trabalho solo da guitarrista e vocalista Emma Pollock. Ela tem dois discos, “Watch the Fireworks” (2007) e “The Law of Large Numbers” (2010), que são tão lindos que não dá pra entender como não tiveram uma repercussão maior. 

Em setembro ela sai em turnê pelo Reino Unido e lança um split-EP com o violonista escocês RM Hubbert.  O trabalho sai pelo selo Chemikal Underground, que tem Emma como uma de suas sócias-fundadoras. Já dá pra ouvir algumas no player:

E aqui os clipes solo da Emma Pollock:

Eta país maravilhoso que é a Escócia! ♥

Links: www.emmapollock.com
www.twitter.com/emmaspollock

Programa MusicTrends estreia hoje às 20h no Multishow HD

Estreia hoje às 20h no Multishow HD o programa MusicTrends, produzido em parceria com a Box1824, que pretende mapear as tendências musicais atuais. Sou uma das convidadas, ao lado do Marcelo Costa, Lucio Ribeiro, Renata Simões, Marina Bortoluzzi, Lucas Liedke e vários artistas novos.

O primeiro episódio, Time Off, vai falar de novos artistas que buscam suas inspirações no passado em busca de um som consistente e atemporal. É aquele som com carinha de antigo, mas ao mesmo tempo super natural para os ouvidos modernos. Os outros temas são: Nowdismo, Happy To Be e Twisted Future.

As datas e os horários das exibições do primeiro episódio são:  Episódio 1: Time Off – 01/ago 20:00 – 00:00 – 03:00 / 02/ago 07:00 – 17:05 / 03/ago 11:50 / 04/ago 08:50 / 05/ago 09:00 / 07/ago 08:25

Minha participação no "Todo Seu", do Ronnie Von

 
Muito amor!

Na última quarta-feira fiz uma participação no “Inesquecíveis”, quadro do programa “Todo Seu”, do Ronnie Von, no qual homenageiam um artista. Como o tema da vez foi Amy Winehouse, fui convidada a falar entre as apresentações da cantora Bárbara Jardim, que fez uma linda homenagem.

Adorei o convite por ter reunido numa coisa só duas de minhas paixões musicais, a Amy e o Ronnie. Fiquei muito emocionada com o carinho que ele demonstrou por mim por causa do tributo ao disco de 68 que eu produzi em 2007. Já tinha ido ao programa há alguns anos, em um papo sobre rock antigo, mas na ocasião quase não consegui falar pois o Marcelo Nova falou mais do que a boca, hahaha. Mas desta vez, apesar da timidez, falei mais! ;-)

Muito obrigada a Bruna Veloso, editora do site da Rolling Stone, que foi quem me indicou pra essa pauta. E pra Anninha Lucas, ótima produtora do programa.

Pra quem perdeu, o programa já está no YouTube! 

Com o Hector e o Ronnie
Lindo cabelo e make feitos pela equipe da TV Gazeta

Um ano sem Amy Winehouse: o seu legado

Em meados da primeira década do século 21 o cenário musical no mundo pop não era dos mais animadores. Passada a euforia com o new rock dos Strokes e cia., as músicas mais tocadas eram hits autotunados, poperôs a la Ibiza e moças boazinhas que se tornaram popozudas de uma hora pra outra. Até que no final de 2006 uma garota inglesa, magrinha, judia e com vozeirão das grandes cantoras negras protestantes de Detroit apareceu para o mundo. Ela olhou pelo pelo retrovisor e trouxe a música do passado para o presente pra nos lembrar que ainda existem talentos que superam a mais apurada tecnologia.

O legado de Amy Winehouse foi ter resgatado a paixão pela música de alma, aquela que vem das entranhas e fala para os nossos corações. Do seu enorme penteado beehive, ela tirou o jazz, a soul music, o ska, o hip hop e criou o seu próprio som, que logo ganhou admiradores do mundo inteiro. Como telespectadores de uma novela, sofríamos após uma nova recaída, a um novo amor fracassado e aos tropeços no palco. O final feliz infelizmente não veio, nossa Amy cansou e partiu. Buscamos conforto no farto colo da doce Adele, mas se a dor até diminuiu, a saudade nunca termina, principalmente a cada performance inédita que surge no YouTube jogando na nossa cara toda a genialidade que o mundo perdeu precocemente.

Mas a cada crise de choro no chão da cozinha, nas lágrimas que caem e secam sozinhas e a cada jogo perdido no amor, a anti-diva Amy revive instantaneamente dentro de nós.

(Íntegra de depoimento que dei para matéria sobre Amy na Gazeta de Vitória)

E mais material inédito continua brotando na internet:

* Vazou “No More Jazz n’ Blues” (unreleased B-side de Frank)
* Cover de “Have you more than you’ll ever know”, de Donny Hathaway, que entrou há poucos dias no YouTube

* Rare footage da sessão de fotos feitas pelo Blake pra revista Spin em 2007
* A BBC4 exibe hoje o documentário Arena: Amy Winehouse – The Day She Came to Dingle
* O fã Bruno Fischetti disponibilizou pra download na íntegra o show do North Sea Festival de 2004.
* Os fãs Giovani Pozzo e Kamilla Viana disponibilizaram dezenas de fotos raras de Amy neste álbum.

Corações Sujos tem data de estreia: 17 de agosto

Tenho acompanhado o processo de produção do filme Corações Sujos aqui no blog pois sou fã do livro do Fernando Morais. Depois de vários adiamenntos, o filme finalmente ganhou uma data de estreia no Brasil: dia 17 de agosto
O trailer oficial está abaixo:
 
No Japão o filme estreia no dia 21 de julho. Veja o cartaz em japonês e o trailer legendado em inglês:
No site japonês do filme tem o trailer legendado no idioma. Estou bem curiosa pra saber como vai ser a repercussão do filme no Japão!

Um ano sem Amy Winehouse: as homenagens

No dia 23 de julho completa-se 1 ano da morte de Amy Winehouse. Particularmente não gosto de lembrar e muito menos de comemorar a data de morte de artistas que amo e sim celebrar a sua data de nascimento, mas algumas homenagens já estão sendo feitas. 

A revista britânica Q lançou um CD com um tributo ao Back to Black, com a participação de bandas como Saint Etienne, Manic Street Preachers, The Cribs e Temper Trap. Já dá pra baixar aqui neste blog.

No vídeo abaixo dá pra ouvir a versão do Saint Etienne para “Just Friends”:
 
E em meio a boatos sobre mais dois álbuns póstumos e uma “turnê holográfica” (não, mil vezes não!!!), Mitch Winehouse lançou o livro Amy, Minha Filha, que sai no Brasil pela Ed. Record em agosto e já está em pré-venda na Livraria Cultura.
Capa brasileira
Capa UK e US
O Multishow vai exibir nos dias 22 e 23 de agosto uma programação especial com shows e um documentário.
Domingo, 22 de julho
Multishow
19h – Amy Winehouse: Live at Dingle (show com entrevista inédita)
20h – Amy Winehouse – Live at Eurockéennes Festival 
Segunda, 23 de julho
Multishow
18h – Amy Winehouse: Live at Porchester Hall
Multishow HD
20h – Amy Winehouse: A Vida de Amy Winehouse (inédito)
21h30 – Amy Winehouse: Live at Dingle (show com entrevista inédita)
22h30 – Amy Winehouse – Live At Porchester Hall
23h30 – Amy Winehouse – Live at Shepherd´s Bush
No dia 11 de outubro a Fundação Amy Winehouse vai promover o primeiro Amy Winehouse Inspiration Awards and Gala, que pretende ser anual. O evento vai homenagear aqueles cujo trabalho inspira grandeza em outras pessoas. Tony Bennett será um dos premiados.

Quando eu souber de mais homenagens vou postando aqui.


Participe do meu grupo Amy Winehouse no Facebook.

Artistas barbudinhos incríveis que parecem ter saído dos anos 70

Inspirada pelos documentários sobre o Queen e o Troubadours que vi esta semana no In-Edit comecei a ouvir artistas atuais com sonoridades 70’s e fui parar nesses barbudinhos super talentosos que parecem ter saído dos bares e  festivais antigos da California.

Bryan Scary

O Hector baixou outro dia no RCRDLBL e me passou achando que eu iria gostar. Acertou! Ontem baixei o disco inteiro e me encantei de vez. Antes ele assinava como Bryan Scary and the Shredding Tears e para este álbum novo, “Daffy’s Elixir”, arrecadou grana através do Kickstarter. Elton John, opera rock, Queen, Bee Gees, ELO, Beatles psicodélico e rock progressivo estão entre suas influências.

Site: www.bryanscary.com

Alex Ebert (Edward Sharpe & The Magnetic Zeros)

No Alex Ebert só fui prestar atenção depois de seu lindo primeiro disco solo, “Alexander”, que saiu no ano passado. Só depois fui conhecer melhor o trabalho do Edward Sharpe & The Magnetic Zeros, que acaba de lançar o seu segundo disco,“Here”. Hippie até dizer chega, as apresentações da banda ao vivo levantam o astral de qualquer pessoa depressiva. ♥ Destaque também pra fofa Jade Castrinos, que tem uma voz linda!

Robert Ellis


Fuçando nas atrações do Bonnaroo deste ano encontrei esse novo artista na melhor tradição singer-songwriter  tão bem retratada no doc Troubadours. Essa belezinha é do Texas e tem dois discos, “The Great Re Arranger” (2009) e “Photographs” (2011), que baixei e adorei.


The Avett Brothers


Esses lindos da Carolina do Norte já são veteranos, mais de dez anos de carreira, mas só os conheci agora, também fuçando nas atrações do Bonnaroo (depois vi que eles se apresentaram com o Bob Dylan e o Mumfors & Sons no Grammy 2011). O seu sétimo álbum está previsto pra esse ano, com produção de Rick Rubin.

Patti Smith lança novo álbum, "Banga"

Depois de oito anos sem lançar um disco de inéditas, Patti Smith lança hoje o seu 11º álbum, “Banga”, já disponível por vias extra oficiais.

Pelo jeito o sombrio e caótico ano de 2011 inspirou claramente esse trabalho que fala de morte, de história, da natureza e seus desastres. Esses temas podem ser sentidos nos tributos a Amy Winehouse (“This is the girl”), de quem Patti era muito fã, a atriz Maria Schneider (“Maria”), que também faleceu no ano passado, e em “Fuji-san”, dedicada as vítimas do tsunami do Japão.

Com participação de Tom Verlaine (do Television), do ator Johnny Depp e de seus filhos, Jackson e Jesse, o disco traz ainda uma belíssima cover de “After the Gold Rush”, de Neil Young.

O interesse pela poetisa do punk voltou com força após o lançamento de seu fabuloso livro, “Só Garotos” (Just Kids), lançado no Brasil em 2010 pela Companhia das Letras. A produção de uma versão cinematográfica do livro já está em andamento desde o meio do ano passado. Há uma torcida para que Patti e Robert Mapplethorpe sejam interpretados por Charlotte Gainsbourg e James Franco, respectivamente. 
Pra quem, como eu, perdeu o seu show histórico na versão carioca do Tim Festival de 2006, só resta torcer pra que a rainha volte ao Brasil pra divulgar o seu novo disco. Por enquanto só está prevista uma turnê européia.
Ouça abaixo “This it the girl”, homenagem a Amy:
Aqui, um widget com o disco inteiro pra ouvir:

Maratona Franz Ferdinand: covers feitas por eles

Continuando com a maratona Franz Ferdinand, o post de hoje é com as covers que a banda já fez em B-sides, ao vivo ou em apresentações em rádios. Dá pra reparar que eles têm uma quedinha por divas do pop e da disco music, não? ;-)
“Womanizer”, Britney Spears
“It Won’t Be Long”, The Beatles
“What You Waiting For”, Gwen Stefani
“Sexy Boy”, Air
“Call Me”, Blondie
“Mis-Shapes”, Pulp
“Sound and Vision”, David Bowie
“A song for sorry angel”, Serge Gainsbourg
“The Lobster Quadrille”, Lewis Carroll
“Heisa-ho”, De Kift (banda holandesa)
“All My Friends”, LCD Soundsystem

Tudo sobre o Festival Cultura Inglesa aqui.