Comunidade colombiana comemora 207 anos de independência com festa em São Paulo

Quem acompanha esse blog há algum tempo sabe que aqui é quase um setorial da Colômbia! <3 E para alegria de quem também ama esse maravilhoso país vizinho, São Paulo está recebendo em julho o Circuito Cultural Colombiano com uma série de atrações culturais, folclóricas e gastronômicas para comemorar o mês da independência da Colômbia.

Um dos principais eventos será uma grande festa no Memorial da América Latina dia 22 de julho: 207 años Celebremos Nuestra Independencia, das 11h às 18h, com entrada gratuita.

A festa da independência vai contar com a participação de 16 restaurantes colombianos (!!!) com a gastronomia de diversas partes do país, além de exposição e venda de artesanato e de produtos locais. Entre os shows estão o de Victoria Saavedra, cantora colombiana que vive em São Paulo há sete anos e está lançando seu primeiro disco, “Remanso entre raízes”. Foi confirmado também o show da banda Bazurto All Stars, de Cartagena, um dos grandes destaques da champeta moderna.

No evento no Facebook os produtores estão postando informações sobre todos os restaurantes e atrações! <3

Veja também os outros eventos colombianos que estão acontecendo em São Paulo em julho pelo Circuito Cultural Colombiano:

Leia mais neste blog: 

Stocky Bodies

Onde encontrar diversidade de corpos nos bancos de imagens

Stocky Bodies

Crédito: Exemplo de imagem do Stocky Bodies

Os “headless fatties”, gordos sem cabeça de tantas matérias e campanhas

A publicidade e imprensa finalmente começam a enxergar a diversidade de corpos e não fazem mais do que a obrigação. Mas pessoas gordas ainda são muito representadas na mídia através de um de seus mais lamentáveis estereótipos, os “headless fatties”. São fotos de homens e mulheres gordos sem cabeça, geralmente desleixados e de moletom, que ainda ilustram muitas matérias e campanhas. Ninguém precisa estar lindo e arrumado 100% do tempo, mas não é preciso representar pessoas gordas somente através desse estigma.

Uma das iniciativas recentes mais interessantes em termos de representatividade no segmento plus size foi a parceria do site Refinery29 com a marca plus size Lane Bryant e a Getty Images. Eles criaram a 67percentcollection, um banco com imagens positivas de pessoas gordas em cenas corriqueiras como escovando os dentes, chamando um taxi na rua, praticando esportes, colocando maquiagem ou mexendo no celular. Coisas que qualquer pessoa faz, inclusive eu e você.

Outros bancos de imagens com corpos gordos são:

O Rudd Center faz parte da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, além do banco de imagens, conta também com diretrizes para jornalistas tratarem de assuntos relativos a pessoas gordas evitando perpetuar estigmas. Dá para baixar aqui.

Pessoas gordas são mais do que seu tamanho. Elas não precisam estar só em especiais de moda plus size ou em matérias sobre preconceito, distúrbios alimentares e culpa na alimentação. Podemos ser personagens e protagonistas também de artigos e campanhas de maquiagem, bancos, carros, esportes, maternidade, tecnologia, música, sabão em pó, até de manteiga… E, não se esqueçam, elas têm cabeça, profissão e nome!

Stocky Bodies

Crédito: Exemplo de imagem do Stocky Bodies

UPDATE 08/08/2017:

No Brasil, foi lançado esta semana o Mulheres inVisíveis, o primeiro banco de imagens nacional focado em diversidade. O site inclui fotos de mulheres gordas, negras, trans, tatuadas, enfim, pessoas comuns que vemos pelas ruas. As imagens foram criadas pela 65/10, consultoria especializada em mulheres, em parceria com o coletivo CatsuStreet e estão à venda nos sites Fotolia e Adobestock, com renda revertida para a expansão do banco de imagens.

“Há dois anos trabalhamos para mudar a maneira que a mulher é representada na publicidade. E há dois anos nos deparamos com a dificuldade para mulheres negras, gordas, lésbicas e trans nos castings e escolhas de imagens dos clientes. O Mulheres inVisíveis nasceu como resposta prática a isso, para não ter a desculpa de ‘não encontramos essas imagens nos bancos”, conta Thaís Fabris, uma das sócias da 65/10. “A ideia é também fomentar o debate sobre a necessidade de uma publicidade mais diversa e inclusiva”.

mulheresinvisiveis

Imagem do banco do Mulheres inVisíveis

#DataFrá: meus Top 5 PFs, marmitas e almocinhos em conta do ano

SAIU a lista mais esperada: os Top 5 melhores PFs, marmitas e almocinhos em conta do ano (não necessariamente nessa ordem) de acordo com o #DataFrá! Claro que tem muita coisa boa fora da lista mas fiz a escolha de acordo com as regiões que moro e consumo toda semana, com opções vegetarianas.

marioguedes

Mario Guedes na sala Rio

1) MG SABOR CASEIRO – Depois de 33 anos no mercado financeiro, Mario Guedes trocou o escritório pela cozinha. Até aí, coisa que a gente viu muito nas histórias de ~mudança de vida~ recentemente. Mas a MG não tem nada de gourmet, é um PF muito honesto no Sumaré (Rua Havaí, 31) com pratos até 22 reais. Além dos PFs e da simpatia do Mario, a MG também conta com delivery de congelados, incluindo pratos árabes. Entre os PFs, destaque para o saboroso cupim das terças-feiras. E como bom carioca, Mario cozinha feijão preto todo dia! Você pode até escolher almoçar em São Paulo (na salinha pequena) ou no Rio (na sala grande com o Cristo Redentor pintado em um belo mural).

2) Bar e Lanches Brigadeiro Galvão – Que me desculpem as pizzarias, mas não existe nada mais paulistano do que os “bar e lanches”. O meu favorito é o da minha rua, é claro, aqui no Campos Elíseos (esquina com Rua Dr. Albuquerque Lins). Atendimento gente fina do Alisson, do Banana, do Tiago, do Robson e do Cássio e PFs com muita fartura (um deles pode até servir duas pessoas com média fome). Destaque para a feijoada das quartas e sábados, super gostosa. Além disso eles também preparam sucos e vitaminas especiais e servem a água de coco mais docinha e gelada do bairro! Vendem cerveja de garrafa e recebem muitas turmas de amigos, mas respeitam os vizinhos e não permitem barulho e nem fecham muito tarde!

3) Marmita da Dada Lopes – Conhecida pelas famosas coxinhas do Z Carniceria da Augusta, Dadá fez uma passagem épica pela cozinha do Mercado Efêmero do Mirante 9 de Julho no começo do ano. E, para nossa sorte, enveredou pelo ramo das marmitinhas diárias. Com preços entre 12 e 18 reais, as entregas ainda são pela região de Santa Cecília e Avenida Paulista, sempre com opções vegetarianas. Para quem come carne, destaque para o pernil assado e desfiado com arroz e salada coleslaw.

4) Boteco do Gois – Um PF roots no qual se encontra versões vegetarianas e veganas para TODOS os pratos e lanches e com precinhos de PF mesmo, a partir de 15 reais. Assim é o Boteco do Gois, na Rua das Palmeiras, 130 (próximo Alameda Glete). Atendimento super gentil e tempero saboroso! Experimente o PF de tirinhas de bife de soja com tomate e cebola.

5) Barão Natural – Restaurante e pizzaria vegana na Al. Barão de Limeira 1090 que todas as segundas-feiras na hora do almoço cobra somente R$ 9,90 o buffet para estimular a #SegundaSemCarne (com chá mate geladinho à vontade por 4 reais). E para quando finalmente cai na conta aquele freela esperado, vale pedir uma pizza vegana, que são muito gostosas!

Noche de velitas: acenda uma vela pela #paznacolômbia

colombia

Aos brasileiros que se comoveram com o amor e o respeito demonstrado por nossos irmãos colombianos depois da tragédia com a equipe do Chapecoense, fica aqui uma sugestão.

Na noite de 7 para 8 de dezembro os colombianos celebram a Noche de Velitas, que é como eles comemoram o início das festas natalinas. É uma tradição popular muito bonita, com várias explicações para sua origem (veja Wikipedia). É uma noite que eles reservam para celebrar a fé e a esperança, reunir a família e amigos e fazer pedidos para o próximo ano.

Na Colômbia eles também estão passando por um momento conturbado, com a população bem dividida entre o SIM e o NÃO no acordo pela paz. Que tal retribuirmos todo o carinho acendendo nossas velitas de terça para quarta mentalizando muito amor e desejando paz para nossos vizinhos? O ideal é que seja na ruas, na frente de casa. Podem ser velas brancas ou nas cores da bandeira do país: amarela, azul e vermelha.

noche-de-velitas

Caso queira confraternizar com outras pessoas, em São Paulo a comunidade colombiana se reúne nesses locais:

* Noche de velitas colombianas @ Paróquia do Divino Espirito Santo, na Frei Caneca – quarta às 18h
https://www.facebook.com/events/1834290793517473

* Dia de las Velitas 2016 @ Igreja Nossa Senhora da Paz, no Glicério – quarta às 18h
https://www.facebook.com/events/1038737022890516

* Día de Las Velitas @ Boteco La Gorgona, no Baixo Augusta – quarta às 19h
http://www.facebook.com/lagorgonabr

* Noche de Velitas 2016 @ BBQ Locombia, na Vila Madalena – quarta às 19h
https://www.facebook.com/events/1766698693550734

* Noche de velitas @ Sabores de Mi Tierra, em Pinheiros – quarta às 19h
https://www.facebook.com/events/701996509947662

No Rio de Janeiro:

* Luzes pela Paz da Colômbia, na Ladeira Ary Barroso, quarta às 20h https://www.facebook.com/events/657657211062894

Todas com venda de comidas e bebidas típicas da Colômbia!

Infelizmente não poderei ir pois estarei em Aracaju mas quem for depois me conte!

Leia mais: onde comer a comida colombiana em São Paulo.

Ondatrópica anuncia novo álbum “Baile Bucanero”

ondatropica-bailebucanero

Ótimas notícias para o começo do ano! \o/ Depois de muita expectativa finalmente o supergrupo colombiano Ondatrópica anuncia a data de lançamento de seu segundo álbum, chamado “Baile Bucanero”.

O disco vai ser lançado no dia 17 de fevereiro pela Noisey em parceria com a Soundway Records. O álbum foi gravado em Bogotá e na Ilha de Providência, na Colômbia, duas locações contrastantes mas unidas pela sua reputação de criativos pólos musicais. O trabalho explora tanto a nova cena tropical futurista que fervilha na capital quanto as tradicionais conexões anglo-caribenhas da ilha, cujos habitantes falam o inglês crioulo.

“Baile Bucanero” contou com a participação de nada menos do que 35 músicos, entre Michi Sarmiento, Nidia Gongora, Wilson Viveros, Juan Chong Puello, Urian Sarmiento, Elkin Robinson, Freddy Colorado, Gustavo Garcia Pantera, Enrique Egurrola Zuleta, Pedro Ojeda, José Miguel Vega Chaparro, Jorge Emilio Pardo Vasquez, Shala Robinson, Simon Guzman Velez, Maria Jose Salgado, Santi Pianoman, Juan David Castaño, Diego Gómez, Eddy Johana Gomez, Aloap Oseividlav, além de Will Holland (Quantic) e Mario Galeano (Frente Cumbiero), também produtores do álbum.

O primeiro disco do Ondatrópica causou uma verdadeira revolução em minha vida! Já acompanhava o rock e a música eletrônica independente latina em espanhol há alguns anos mas foi através dessa verdadeira constelação de músicos que comecei a prestar mais atenção em cumbia, salsa, guajiras, guaracha e outros ritmos mais tradicionais. <3

“Baile Bucanero” já está em pré-venda e o primeiro single já foi lançado, “Hummingbird”. O vídeo tem direção do parceiro de sempre dos caras, B+!

Sobre o In-Edit Brasil e os seus ilustres desconhecidos

Quando sai a programação do festival In-Edit Brasil a gente corre pra saber se vieram documentários sobre nossos artistas favoritos. Mas em meio a tantos filmes sobre músicos e produtores consagrados, às vezes os que mais nos surpreendem são os sobre ilustres desconhecidos. Hoje me emocionei profundamente com dois excelentes documentários: THE JONES FAMILY WILL MAKE A WAY, de Alan Berg, e THE WILL HAVE TO KILL US FIRST: MALIAN MUSIC IN EXILE, de Johanna Schwartz.


O primeiro trata do bispo batista Fred Jones e sua família, que há anos tocam em igrejas no Texas com o nome de The Jones Family Singers. Com o sucesso de seus cultos enérgicos com a soul music na sua mais pura essência, surge a oportunidade da banda sair do circuito gospel e fazer shows em festivais alternativos. É aí que surge a figura de Michael Corcoran, crítico de rock ateu que estuda a música gospel, que vira uma espécia de empresário do grupo. Um excelente retrato do amor a música, da fé, da amizade e, acima de tudo, da tolerância.

they-will-have-to-kill-us-first-songhoy-blues
O segundo foi provavelmente um dos melhores documentários que já vi na história do festival e, de longe, o mais triste! É sobre quando o Estado Islâmico tomou parte do norte do Mali, país da África Ocidental, e proibiu qualquer tipo de manifestação artística, incluindo a música. De um dia para outro, QUALQUER TIPO DE SOM que não saísse das mesquitas foram proibidos. O filme mostra a luta de seus músicos pela sobrevivência e para chamar a atenção do mundo para a situação do país. O oposto do filme anterior, um retrato do fanatismo, da crueldade e intolerância. Pra mim praticamente um longa de terror pois a música é o ar que eu respiro. Saí da sessão com uma ponta de esperança com as mudanças mas o filme certamente vai ficar martelando na minha cabeça por um tempo.

Não vou dar mais detalhes sobre os dois para não estragar o impacto, mas fica o toque amigo: fucem todas as sinopses e arrisquem um pouco. Não deixem de lado os filmes sobre as figuras desconhecidas no In-Edit Brasil pois suas histórias de vida são tão ricas quanto as dos artistas consagrados. A programação completa pode ser vista no site www.in-edit-brasil.com/program É a terceiro vez em que trabalho com o festival fazendo o conteúdo pras suas redes sociais e a cada ano sempre tem pelo menos um que muda minha vida.

Teenage Fanclub lança seu 11º álbum dia 9 de setembro: “Here”; veja o clipe de “I’m in love”

Teenage Fanclub 2016

Teenage Fanclub 2016

Depois de seis anos de espera e muita expectativa dos fãs, finalmente o 11º álbum do Teenage Fanclub tem data de lançamento confirmada! \o/ “Here” sai no dia 9 de setembro e já está em pré-venda na lojinha da banda e no site da Merge Records e sai em vinil, CD, mp3 e até fita K7.

Eles já divulgaram a tracklist e hoje foi lançado essa lindeza de clipe de “I’m in love”. <3 A praia é perto do estúdio do lendário Edwyn Collins em Helmsdale, na Escócia. As cenas de estúdio foram gravadas lá. Mas o disco foi gravado nos estúdios de Vega, em Carpentras, na França, e de Clouds Hill, em Hamburgo, na Alemanha.

Tracklist de “Here”:

1. I’m In Lovetfchere2016
2. Thin Air
3. Hold On
4. The Darkest Part Of The Night
5. I Have Nothing More To Say
6. I Was Beautiful When I Was Alive
7. The First Sight
8. Live In The Moment
9. Steady State
10. It’s A Sign
11. With You
12. Connected To Life

Os meninos divulgaram também uma turnê pelo Reino Unido, EUA e Canadá (onde o Norman Blake reside atualmente):

Outubro – Canadá e EUA

12 – Toronto: Lee’s Palace
14 – Washington, DC: 9:30 Club
15 – New York, NY: Bowery Ballroom
16 – Brooklyn, NY: Music Hall of Williamsburg
17 – Boston, MA: The Sinclair
18 – Philadelphia, PA: World Cafe Live
20 – Cleveland, OH: Beachland Ballroom
21 – Chicago, IL: Bottom Lounge
22 – Minneapolis, MN: Fine Line
23 – Madison, WI: High Noon
25 – Detroit, MI: Loving Touch

Novembro – Reino Unido

15: Inverness Ironworks
16: Whitley Bay Playhouse
17: Sheffield Leadmill
18: Manchester Academy 2
20: Leeds University
21: Norwich Waterfront
22: London Electric Ballroom *SOLD OUT*
23: Portsmouth Wedgewood Rooms
24: Brighton Concorde 2 *SOLD OUT*
26: Birmingham Institute
27: Cardiff Glee Club
28: Nottingham Rescue Rooms
29: Bristol Anson Rooms
30: Cambridge Junction

December – Reino Unido

2: Dublin Academy
3: Glasgow Barrowland *SOLD OUT*
4: Glasgow ABC

Já sabem qual será nosso grito de guerra em 2017, né? Please, come to Brazil! <3

Pra acompanhar as novidades da banda curta a fanpage do TFC, siga o Twitter @teenagefanclub, do @normanblake e do @franmacdonald pois eles são bem presentes nessa rede e responde os fãs com a simpatia escocesa de sempre! <3

Michael Kiwanuka alcança seu primeiro #1 nos charts britânicos com o álbum “Love & Hate”

michaelkiwanuka2016

kiwanuka_lovehate“Love & Hate”, segundo disco de Michael Kiwanuka, foi lançado há uma semana e já alcançou o #1 nos charts do Reino Unido. Um feito e tanto para esse britânico de origem ugandense em um momento em que a onda de xenofobia é crescente na Inglaterra com a vitória do #BRexit. Os pais de Kiwanuka são imigrantes e fugiram da ditadura do pérfido Idi Amin Dada, o carniceiro de Uganda.

Acompanho o trabalho do cantor desde 2011, quando ele apareceu com o EP “Tell me a tale” e abriu parte da turnê do disco “21”, da Adele. Em 2012 Kiwanuka lançou seu primeiro álbum, “Home again”, que já mostrava todo o talento do cantor e compositor frequentemente comparado ao soul folk 70’s de Bill Withers. Aos 29 anos ele vai muito além de comparações e lança essa obra-prima de tirar o fôlego, “Love & Hate”. Ouça agora no Spotify ou no Deezer!

Veja um vídeo da faixa-título, “Love & Hate” <3

Ajude o Fabio Rex a transformar “Clarissa, a preguiça” em livro

capa_catarse

O Fabio Rex é amigo e parceiro há vários anos e um dos ilustradores mais talentosos que conheço. Ele é autor dessa mini-Frá aqui acima no blog _o/ e o criador do logo do Pop Plus. <3

Ele agora está em campanha de financiamento coletivo no www.catarse.me/clarissa para o lançamento de seu primeiro livro infantil, “Clarissa, a preguiça”. Já dá pra participar com a partir de 10 reais e as recompensas são MARAVILHOSAS! Tipo essa caneca…

mugclarissaEu também! =D

Corre lá pois em 1 dia o Rex já conseguiu arrecadar METADE da meta, que é de 8 mil reais! \o/