O produtor britânico Quantic anuncia o lançamento de novo álbum, "Magnetica"

Ê, coisa boa começar o dia com a notícia de que um de seus produtores favoritos vai lançar um novo disco! Depois de parcerias inesquecíveis com o Combo Barbaro, Alice Russell, Frente Cumbiero e o Ondatrópica, o britânico Will Holland, aka Quantic, anunciou hoje o lançamento de Magnetic, seu primeiro disco solo desde 2006 (quando lançou An Announcement To Answer).

Trabalho “solo” é mania de dizer pois, como sempre, o produtor sempre traz uma seleção incrível de convidados, como a própria Alice Russell, Shinehead, Nidia Góngora (a fantástica cantora colombiana do Ondatrópica), Dereb The Ambassador, Anibal Velásquez e a brasileira Thalma De Freitas. 
O primeiro single é “Duvidó”, que conta com a participação da angolana Pongolove. O álbum Magnetic sai no dia 5 de maio pela Tru Thoughts.
O trabalho do Quantic foi o que me despertou para toda a riqueza da música colombiana. De lá pra cá fiquei obcecada com o país, cheguei a ir pra lá no ano passado e ainda penso em morar lá um tempo. Eu o entrevistei pro site da Trip em 2012, quando ele esteve em São Paulo para discotecar, leiam! ;-)

Doc “Yo me llamo Cumbia” quer desvendar as origens do ritmo latino

Dirigido por Roberto de Zubiria e Sergio Zaraza e produzido por Maria Neila Santamaria, o documentário “Yo me llamo Cumbia” (Eu me chamo Cumbia) tenta desvendar as origens do fascinante ritmo latino.

Falando com artistas da antiga geração e com novos nomes que a estão reinventando, o filme de 52 minutos mostra manifestações e versões da cumbia em vários países, partindo da Colômbia, seu país de origem. Há entrevistas com Aterciopelados, Quantic, Pernett, Totó La Monposina e vários outros artistas e apaixonados por música latina.

Ainda não há data de estreia prevista, mas várias cápsulas já estão sendo divulgados pelos links www.youtube.com/cumbiadoc // @cumbiadoc // www.facebook.com/cumbia.documental // www.yomellamocumbia.com

Veja abaixo o trailer no YouTube e uma demo de 6 minutos no Vimeo:

#fránacolômbia: Parte 1 – Cartagena de Índias (Sim, a resposta é Colômbia! ♥)

fraemcartagena01

Bandeira da Colômbia no meio do mar do Caribe

Meu interesse pela Colômbia começou por volta de 2009, quando vi no Flickr as fotos de viagens de um casal de amigos para Cartagena de Índias e Bogotá. Achei lindas as imagens e comecei a me informar melhor. Descobri um país de cultura e natureza muito ricos (é um país andino, amazônico, pacífico, caribenho e com influência negra) e em plena reconstrução de sua autoestima e imagem. Comecei também a prestar mais atenção nas bandas e artistas locais, – sobre as quais já falei várias vezes aqui no blog -, foi aí que me apaixonei de vez e decidi que precisava conhecer o país.

Claro que volta e meia ouvia alguma gracinha tipo “nossa, Colômbia, o que você quer fazer lá?”, mas nem dava trela pois a cada matéria que lia ou artista que eu conhecia que eu lia só me encantava mais. Conhecer a Europa e os EUA é bom, eu mesma sonho em conhecer vários países de lá. Mas temos ao nosso lado lugares tão lindos e fascinantes, precisamos eliminar de vez o preconceito com os outros países da América do Sul. E não vale ir pra Buenos Aires ou Santiago só porque parecem a “Europa latina”, né? 

franacolombia01

Em ritmo de Bomba Estéreo

Demorou um tempo pra eu conseguir matar essa vontade, até acabei indo antes pro Primavera Sound, em Barcelona. Mas em maio, através de um amigo, tomei conhecimento do concurso The Answer is Colombia, que premiaria 12 pessoas em todo o mundo para conhecer seis cidades do país. Entrei nos últimos dias do concurso mas fiz uma campanha ferrenha, apurrinhei todos os amigos, parentes, conhecidos, vizinhos e agregados e acabei sendo a primeira colocada, com mais de 260 retweets da minha frase. (Obrigada, obrigada, mil vezes obrigada! ♥)

Entre as seis experiências oferecidas, escolhi Cartagena de Índias e marquei a viagem para 20 de agosto, uma terça-feira. A produção do concurso ainda permitia que você esticasse um período, por sua conta própria, então acabei ficando mais cinco dias em Bogotá (farei outro post à parte sobre a capital). Preparei tudo o que precisava e embarquei feliz rumo à Colômbia.

hotellasamericas

O resort Hotel Las Americas

Na quarta-feira embarquei para Cartagena de Índias, enfim. Descendo na cidade, depois de 1h30 de voo, já senti um calor delicioso, em contraste com clima frio e chuvoso de Bogotá, que é parecido com o de São Paulo. A partir daí, tive praticamente cinco dias de princesa, haha. Tinha motorista para me levar para cima e para baixo, fui nos melhores restaurantes da cidade e fiquei hospedada no Hotel Las Americas, um resort 5 estrelas com nada menos do que 10 piscinas e um atendimento incrível. Não tirei a mão do bolso para nada, só para comprar regalitos para mim e para a minha família! ;-)

fraemcartagena02

Llorando na Plaza San Pedro Claver

A história de Cartagena de Índias foi marcada pelo sofrimento (inquisição, ataques piratas, escravidão) mas a cidade não tem um pingo de baixo astral. É uma cidade alegre, colorida, segura e bem preservada, uma lição para outras cidades turísticas do Brasil. Em 1984 foi declarada pela Unesco Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade. Os colombianos são muito amáveis e receptivos e o país vive em listas dos mais amigáveis do mundo. Pra vocês terem uma ideia, em um dos restaurantes que almocei o garçom (camarero) viu a foto da Amy Winehouse como papel de parede de meu celular e imediatamente colocou um CD dela pra tocar. É muito amor! ♥

Um copo de suco custa em média 1000 COP (R$ 1,18)

Um copo de suco custa em média 1000 COP (R$ 1,18)

Todo esse clima de construções coloniais, carruagens passando (carros são proibidos no Centro Histórico), meia iluminação, o céu estrelado e a brisa do mar criam uma deliciosa aura romântica à noite. ♥ Não são poucos os casais passando a lua de mel ou até mesmo fazendo suas cerimônias por lá. Não duvido nada que fazer um casamento por lá saia mais barato do que os preços absurdos de São Paulo. Fica aí a sugestão para futuros pombinhos, haha. ;-)

Em cada esquina de Cartagena de Índias é possível encontrar vendedores de sucos e de frutas, sempre fresquinhos, o que era um alívio tremendo pro calor da cidade. Uma das coisas que mais gostei foi a famosa limonada de coco, bebia umas três por dia. =D Um refresco tão simples que mal dá pra acreditar não termos essa mistura no Brasil. O suco é feito com a carne de coco batida com açúcar e depois acrescido de limonada. Alguns lugares do país já vendem o creme de coco industrializado, aí a mistura fica ainda mais simples. Outras pessoas substituem o creme por sorvete de coco.

El Santísimo, meu favorito

El Santísimo, meu favorito

A culinária da costa colombiana é bem diferente da capital, pois sofre influência africana, caribenha e mediterrânea. Coco, banana, peixes e frutos do mar são muito utilizados. Quase todos os pratos vêm acompanhados por arroz de coco e chips de banana. E como eu AMO peixes e frutos do mar me fartei! ;-) Entre os restaurantes, o meu favorito foi o El Santísimo, que oferece o “plano milagre” a 85.000 COP (equivalente a R$ 100,54), com o cardápio à sua disposição, com bebida e comida ilimitadas por 2 horas. Outro do qual gostei muito foi o Club de Pesca, que tem uma vista de tirar o fôlego.

Nesses restaurantes mais finos um bom jantar por pessoa custa em média 80.000 COP (equivalente a R$ 94), incluindo entrada, prato principal, sobremesa e um suco. Mas dá pra encontrar outros bem mais baratos. Não se esqueçam de que eu estava no esquema “like a boss”! =D Outros que eu conheci foram: Restaurante San Pedro, FM Restaurante (o do garçom fã da Amy), Palo Santo e Vera, cada um com o seu charme.

Na Cidade Amuralhada fiz o circuito “La Cartagena de Gabo”, passando pelos lugares importantes na vida e obra do escritor colombiano Gabriel García Marquez. Por uma falha de caráter, nunca havia lido nada do autor, – o que estou corrigindo agora -, mas quem é fã do escritor com certeza irá se emocionar ainda mais reconhecendo os cenários que o inspiraram e que são citados em seus livros. Com a ajuda de um mapinha e um audioguia, esse passeio pode ser adquirido de um quiosque dentro da Catedral, é só alugar o aparelho e devolvê-lo em até quatro horas.

Rua da Cidade Amuralhada

Rua da Cidade Amuralhada

Para passear pela Cidade Amuralhada arme-se de um tênis bem macio, chapéu ou boné, roupas leves, filtro solar, água, óculos escuros, dinheiro trocado e uma câmara fotográfica bem carregada e com muito espaço. Dá pra perder horas passeando pela cidade e descobrindo vários cantinhos. Se você é um fotógrafo razoável, – o que não é o meu caso -, dá pra voltar com fotos lindíssimas.

Uma das coisas que torna a Colômbia tão interessante é a presença negra, principalmente na costa. É o 3º maior país do continente americano em população negra, depois dos Estados Unidos e o Brasil, – com 7 milhões de negros -, dentro de uma população de 47,7 milhões. A escravidão no país foi tão cruel como em outros lugares, mas a cultura africana acabou influenciando fortemente a economia, culinária, política, idioma e cultura. Não deve ser à toa que o país é tão rico também musicalmente, com mais de 80 ritmos autóctones (dizem que o número de ritmos folclóricos passa de mil). ♥

La palenquera, vendedora de frutas, figura típica de Cartagena

La palenquera, vendedora de frutas, figura típica de Cartagena

As praias da cidade de Cartagena são urbanas, com areia escura, águas não muito claras e pouco atrativas. Então, pra conhecer praias mais bonitas você tem que pegar um barco ou lancha para ilhas mais distantes. Fiz uma visita ao Oceanario Islas del Rosario e depois à famosa Playa Blanca, na Isla Baru, com suas areias branquinhas e o mar verdinho e tranquilo. Cartagena de Índias é considerada a porta de entrada do Caribe e não é tão cara quanto Aruba, Cancún, Bermuda etc. O único inconveniente da Playa Blanca são os vendedores e massagistas um pouco insistentes. Seja firme no “no, gracias”. Mas a praia é lindíssima e valeu o passeio. Eu iria também para a Isla Majagua, mas fiquei resfriada por causa da mistura de calorzão + ar condicionado no talo no hotel e acabei desistindo. :-(

Para comprinhas, vá até Las Bóvedas, um centro de arte e artesanato que reúne várias lojinhas. Há acessórios e bolsas lindíssimos na cidade (as mochillas colombianas são famosas e custam uma fortuna no Brasil) mas, como em qualquer cidade turística, saiba regatear o preço. E como a Colômbia é um dos maiores produtores de esmeraldas, há várias lojas de joias com a pedra preciosa. Se você viajar com mais dindim no bolso, aproveite, dá pra achar brincos bem bonitos a partir de 50.000 COP (R$ 59,14).

Cartagena de Índias é cidade para mochileiros solitários, casais, famílias e turmas de amigos, há encantos para todo tipo de turista. Faça sua programação mas reserve pelo menos um dia pra se perder pela cidade. Creio que com cinco dias já dá pra fazer e conhecer bastante coisa. A única coisa que não consegui, pois viajei sozinha e fiquei sem graça, foi pegar uma boa noitada de salsa. Mas isso fica pra próxima oportunidade pois com certeza vou querer voltar para a cidade. ;-)

No meu Instagram @flaviadurante dá pra ver mais fotos da viagem.

Fiz uma lista no Foursquare de lugares a conhecer na Colômbia. Não consegui ir a todos mas fica a dica.

A paradisíaca Playa Blanca, na Isla Baru

A paradisíaca Playa Blanca, na Isla Baru

Dicas da Frá:

Algumas coisinhas que aprendi nessa minha (ainda) curta vida de viajante. ;-)

* Para viajar para a Colômbia não é necessário visto ou passaporte, apenas carteira de identidade (RG). Carteira de motorista, certidão de nascimento e CPF, no entanto, não são aceitos. Mas com o passaporte elimina o preenchimento de uma ficha na migração e dá a impressão de que você é mais “respeitado”, então tire um dia pra fazer isso logo, caso você ainda não tenha um. Tirei o meu em uma tarde no Shopping Light, no Centro de São Paulo (veja infos aqui).

* Teoricamente ainda é necessário tomar a vacina de febre amarela para viajar a Cartagena. Cheguei a tomar e levar a documentação mas ninguém me pediu nada na chegada. Mas como diz o Riq Freire, tome logo e elimine essa preocupação por dez anos. Por incrível que pareça, consegui tomá-la em menos de 15 minutos no Ambulatório do Viajante, no Hospital das Clínicas.

* Oferecem voos para a Colômbia a companhias Avianca, Copa, TACA e LAN.

* Li alguém falando que uma das maiores causas de extravio de bagagens são as etiquetas de voos antigos que continuam coladas nas malas. É bonito mostrar que é viajado mas retire todas de sua mala.

* Se a sua mala é verde, preta, azul marinho e fácil de confundir com outras centenas, coloque uma bag tag ou fitas de tecido bem coloridas para identificá-la mais rapidamente na esteira.

* O peso colombiano (COP) é a moeda oficial do país. Dificilmente as casas de câmbio no Brasil têm essa moeda pra vender, então troque direto na Colômbia. Ou, melhor ainda, leve dólares, pois pagam pouco pelo real. No Aeroporto Internacional El Dorado (de Bogotá) há uma casa de câmbio no primeiro andar, ao lado da Porta 4. Como a contagem é feita em milhares não vá achando que você está “rico” e torrar tudo, haha! Não é tanta diferença assim de BRL para COP, então imagine que 1.000 é 1 real.

* Não tenho cartão de crédito internacional, mas quando fui para Barcelona fiz o Cash Passport Card (Multimoeda), que é como se fosse um cartão pré-pago. Você tem que controlar direitinho o que gasta por dia, mas pelo menos não paga altas taxas de IOF e não volta pra casa com dívidas. \o/ E caso acabe o dinheiro no meio da viagem dá para pedir pra alguém recarregar o seu cartão do Brasil apenas com o seu CPF.

* Ande sempre com trocadinhos pois nem sempre os comerciantes de Cartagena dispõe de troco para notas altas ou máquinas de cartões de débito e crédito, principalmente nas praias.

* A Colômbia tem duas horas a menos em relação à São Paulo (GMT/UTC – 05:00 hour).

* A energia elétrica é de 110 volts. As tomadas são do tipo americano, com dois pinos planos.

* Rumba/rumbear: não é apenas o ritmo musical. É também como os colombianos chamam as festas/baladas. ;-)

* Recorrido são as rotas/passeios.

* Nos restaurantes, uma refeição geralmente é composta por pan y mantequilla (pão e manteiga), entrada, plato fuerte (prato principal) e postre (sobremesa). Para beber, jugo (suco), cerveza (cerveja) ou gaseosa (refrigerante).

* Clave de wi-fi: senha de wi-fi (com pronúncia americanizada mesmo). Quase todos os estabelecimentos comerciais contam com uma boa conexão.

* A la orden (às ordens, em português) é provavelmente a frase que você mais ouvirá dos amáveis e prestativos colombianos. ♥

Nos próximos dias, #fránacolômbia: Parte 2 – Bogotá (amor eterno ♥ ♥ ♥)

Los Nuevos Sonidos Colombianos, la mixtape

Já que falo tanto disso, fiz uma playlist no Deezer de novos sons colombianos, espero que gostem! ;-)

Tem muita coisa que legal que ficou de fora pois ainda não está no Deezer. Ouçam no player ou pegando o link aqui (infelizmente pra ouvir na íntegra só estando cadastrado no site):

PS: Estou entre os 20 finalistas do concurso #TheAnswerisColombia, um concurso que rolou no Twitter na semana passada pra sortear 6 viagens para a Colômbia! A resposta final deve sair na próxima semana. Torçam por mim!!! E muito obrigada a todos que deram RT e ajudaram a divulgar!!! ♥

"Que Pasa Colombia": webdocumentário mostra a nova cena musical colombiana

Já que eu virei setorista de Colômbia, aqui vai mais um registro que prova que o país é a bola da vez de quem realmente se interessa por música.

Dirigido Olivier Hoffschir e Thomas Petitberghien, o documentário “Que Pasa Colombia”, que estreou dia 18 de abril na internet, é uma produção francesa que mostra a cena musical atual colombiana, de Bogotá a Medellín, passando por Cali e Barranquilla.

São mostrados bandas e artistas locais como Bomba Estéreo, Freaky Colectivo, Pernett, Frente Cumbiero, Kartel Pacífico, Monsieur Periné e Systema Solar, além de dois britânicos que adotaram o país como segundo lar e divulgam sua música pelo mundo, como Will Holland (o Quantic) e Richard Blair (do Sidestepper).

No site e no Tumblr do filme é possível ver fotos, links e vídeos das bandas entrevistadas e notas de produção. www.quepasacolombia.fr e http://quepasacolombia.tumblr.com

Dá pra ver o webdoc aqui, que tem apenas 33 minutos. O filme é em espanhol com legendas em francês mas dá pra entender tudo perfeitamente. ♥

Que Pasa Colombia – Webdocumentaire (VOST FR) from Que Pasa Colombia on Vimeo.

Anthony Bourdain mostra a cultura e gastronomia da Colômbia em seu novo programa na CNN, "Parts Unknown"

O mais recente episódio de Parts Unknown, novo programa do Anthony Bourdain, foi gravado na Colômbia. Nunca vi nenhum programa do chef, mas como o país me interessa muito, fui atrás dessa vez.

Além da gastronomia, natureza e da receptividade do país, grande destaque vai, claro, para sua incrível música. Boa parte da trilha do programa é do Ondatropica e há entrevista com os seus músicos.

Veja aqui o programa, dividido em três partes no YouTube. Só me deu ainda mais vontade de conhecer o país!

Si quiere conocer el océano Pacífico vaya a Chile.
Si quiere conocer el océano Atlántico vaya a Jamaica. 
Si quiere conocer los Andes americanos vaya a Bolivia. 
Si quiere conocer las llanuras del Orinoco vaya a Venezuela. 
Si quiere conocer las selvas del Amazonas vaya a Brasil. 
Si quiere conocer las culturas precolombinas vaya a México o Peru. 
Pero si quiere conocer todo ello junto… venga a Colombia.

Invasão latina em São Paulo

Ainda estou muito longe de ser uma especialista em bandas e artistas latinos mas volta e meia me encanto por algumas e viro fã de carteirinha. Como os Babasónicos (banda de pop rock da Argentina), o Desorden Publico (grupo de ska da Venezuela) e o Ondatropica, que abriu meus olhos para a minha nova obsessão atual, a Colômbia. É uma pena que aqui do Brasil a gente tão pouco olhe pro lado e não acompanhe bandas e artistas que estão fazendo um ótimo trabalho tão perto daqui.

Estive neste sábado no Festival Sensacional, em Belo Horizonte e lá pude conhecer mais duas bandas ótimas: os Los Broster, da Argentina, e o Monsieur Periné, da Colômbia. Essas bandas terão outras datas em São Paulo, junto com outros hermanos. Se eu fosse você não perderia! ;-)
O Los Broster toca nesta terça-feira, 5 de fevereiro, no Studio SP, ao lado das Las Taradas, na festa Invasão Argentina.
E o Monsieur Periné se apresenta sábado de Carnaval, dia 9, com o Mcklopedia (Venezuela), no projeto Sin Fronteras, no Sesc Vila Mariana. As duas bandas também são atrações do Rec-Beat 2013.

Para conhecer mais artistas independentes latinos: Nuevos Sonidos Latinoamericanos, Latinidade, Avalanche Tropical (e os sets do Dago Donato no Neu Club), Escena Indie en Colombia, Yo No Hablo,
Cambio

Ondatrópica: Quantic e sua interminável onda tropical



Dois dos discos que mais gostei esse ano têm os dedos do Quantic (o incansável Will Holland, inglês que mora na Colômbia desde 2007). Um é “Look Around The Corner”, com a cantora de soul britânica Alice Russell, do qual já falei algumas vezes no Twitter e no Facebook. O outro é esse com o músico colombiano Mario Galeano e o seu Frente Cumbiero, o Ondatrópica.

Pra resumir de um jeito bem preguiçoso, o disco está sendo chamado de “O Buena Vista Social Clube da Colômbia”, reunindo jovens e lendários músicos do país dando uma roupagem atual pra ritmos como a cumbia, a salsa, porro, currulao e chirimia. O disco estreou em #2 nos charts de World Music do UK e recebeu uma crítica super elogiosa no New York Times de um show que fizeram em NYC.

Conheço muito pouco de música latina, mas uma coisa leva a outra, e eu fiquei apaixonadíssima pela cena musical da Colômbia e com muita vontade de passar as férias de final de ano por lá. Infelizmente a gente sempre precisa de um gringo pra mostrar o que está ao nosso lado, precisamos parar com essa superioridade e começarmos a prestar mais atenção em nossos hermanos. ♥

Tem link pra baixar o disco no Exystence. Já adianto que o único problema dele é correr o risco de pagar mico dançandinho no ponto de ônibus ou no metrô. Pois é, sou dessas! ;-)

Abaixo, um vídeo em espanhol sobre o processo de gravação do disco, “Suena”, uma de minhas favoritas, e algumas apresentações ao vivo do Ondatrópica.

O bacana é que no dia 28 de setembro o Quantic vem discotecar na festa do Só Pedrada Musical no Estúdio Emme. Vamos aguardar e torcer pra que ele toque por aqui um dia também com o Combo Barbaro ou o Ondatrópica! ;-)

O disco Ondatrópica está à venda no site da Soundway Records.

Leia mais: No Globo saiu recentemente uma entrevista com Galeano