TupiniQueens, doc sobre a cena drag paulistana, estreia dia 14 de novembro no Mix Brasil

tupiniqueens_logo

O documentário TupiniQueens​ estreia na mostra competitiva nacional do Festival Mix Brasil​ no próximo sábado, 14/11, às 19h no CineSesc​ (Rua Augusta, 2075, São Paulo).

O filme retrata a cena drag paulistana, apresenta a transformação do status marginalizado ao mainstream das drag queens e conta com depoimentos e apresentações de artistas nacionais e ex-participantes do Rupaul’s Drag Race. Tem Ikaro Kadoshi, Marcia Pantera, Gloria Groove, Penelopy Jean, Alaska, Raja, Adore, Latrice. Até eu apareço lá dando close discotecando na vernissage do Suriani, hahaha!

Gravado de forma totalmente independente – sem apoio de edital ou patrocínio -, o diretor João Monteiro teve apoio inicial dos irmãos Karol e Renato Bueno que ajudaram no roteiro e na ideia. A montagem final do projeto veio com o diretor de fotografia Fernando Moraes.

07 - FRAME - TUPINIQUEENSIkaro Kadoshi

Garanta seu ingresso online ou na rede Sesc SP de ingressos.

Assista ao trailer:

Curta a fanpage do filme pra saber quando ele será exibido novamente www.facebook.com/tupiniqueens

Doc “Yo me llamo Cumbia” quer desvendar as origens do ritmo latino

Dirigido por Roberto de Zubiria e Sergio Zaraza e produzido por Maria Neila Santamaria, o documentário “Yo me llamo Cumbia” (Eu me chamo Cumbia) tenta desvendar as origens do fascinante ritmo latino.

Falando com artistas da antiga geração e com novos nomes que a estão reinventando, o filme de 52 minutos mostra manifestações e versões da cumbia em vários países, partindo da Colômbia, seu país de origem. Há entrevistas com Aterciopelados, Quantic, Pernett, Totó La Monposina e vários outros artistas e apaixonados por música latina.

Ainda não há data de estreia prevista, mas várias cápsulas já estão sendo divulgados pelos links www.youtube.com/cumbiadoc // @cumbiadoc // www.facebook.com/cumbia.documental // www.yomellamocumbia.com

Veja abaixo o trailer no YouTube e uma demo de 6 minutos no Vimeo:

Documentário "It Came From Detroit" mostra a histórica cena garage rock da cidade

No pôster do doc, Mick Collins, ícone do rock de Detroit, membro do The Gories e Dirtbombs

Quando vim morar em São Paulo pela primeira vez, nos idos de 1998, a cena underground da cidade vivia uma onda de revival do garage rock. Era a época do Borracharia Bar, do Alternative, da primeira Torre do Dr. Zero, dos shows do Thee Butchers Orchestra, Red Meat, Fuzzfaces, Spots, do selo Ordinary Recordings, dos mods da Zona Leste, e várias outras coisas legais que marcaram minha chegada à Capital. Lembra quando a gente era tudo amigo?

Enfim, através dessas bandas me encantei pelo The Gories e pelo o Demolition Doll Rods, que fez shows sensacionais em São Paulo no ano 2000. E foi com alegria que descobri a existência de um documentário sobre a cena garage rock de Detroit, cidade que não só presenteou o mundo com a Motown, com Madonna e com o MC5, mas também com bandas do mais puro e enérgico rock n’ roll.

Produzido por cinco anos, “It Came From Detroit” foi dirigido por James R. Petix e Sarah Babila e mostra o antes e depois das atenções terem se voltado à cidade após a explosão do White Stripes, outro filho da terra. Foi aí que os nossos coleguinhas jornalistas ansiosos por um novo hype começaram a chamar Detroit de “The Next Seattle” e o doc analisa como essa popularidade inesperada impactou a vida dos músicos locais.

Há trechos de shows e entrevistas com bandas como Demolition Doll Rods, The Detroit Cobras, The Dirtbombs, The Gories, The Von Bondies, The White Stripes, Electric Six e Brendan Benson. Um dos narradores é ninguém menos do que Wayne Kramer, guitarrista do MC5.

O filme ainda não foi lançado oficialmente, mas o seu trailer pode ser visto abaixo. O diretor vai abrir uma campanha no Kickstarter para obter recursos para o financiamento da distribuição do filme. As notícias sobre ele você pode acompanhar pela fanpage do doc ou pelo seu site oficial.

Abaixo, algumas fotos do show do Demolition Doll Rods no finado Galpão 16, em novembro de 2000. Fotos por Aninha Antoniolli. ;-)

Mais dois filmes sobre northern soul previstos pra 2013

Depois de “Soulboy”, de 2010, mais dois filmes apresentam o fascinante e ainda um tanto obscuro universo da northern soul para as novas gerações.

O primeiro é o documentário “The Wheel”, história do The Twisted Wheel, clube de Manchester que foi o berço da northern soul. O doc vai ser exibido pela primeira vez dia 3 de fevereiro com uma grande festa em sua cidade de origem.

Este é o trailer:
O outro é “Northern Soul, The Film”, uma ficção com estreia prevista para o verão do Hemisfério Norte. Dirigido por Elaine Constantine, o filme conta a história de dois jovens rapazes que tiveram suas vidas mudadas ao descobrirem a soul music americana.
Este é o teaser:
Vamos torcer e pedir para produtores/organizadores pra ele ser exibido no Brasil pelo menos em algum festival! ;-)

* Pra conhecer mais sobre a northern soul acesse o blog Coletivo Action

Ninguém sabe o duro que dei

Vou coordenar ações de web do lançamento do documentário “Ninguém sabe o duro que dei”, sobre o Wilson Simonal que, enfim, estreia dia 15 de maio. Tô há um tempão falando desse filme, então vocês devem imaginar como estou feliz por ter conseguido esse trabalho!

Mais feliz só estaria se conseguisse voltar no tempo…

Thanks, Papai do Céu!